sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

FILOSOFIA CRACIOLÓGICA GRACELIANA.
PRIMEIRO SISTEMA FILOSÓFICO GRACELIANO CRACIOLÓGICO.
Vitalismo, divinismo, lógica racional vital.
Divinismo - filosofia graceliana.
Sistema filosófico fundamentado no poder.
FILOSOFIA - CRACIOLOGISMO.
Autor. ANCELMO LUIZ GRACELI.
ancelmoluizgraceli@hotmail.com
Brasileiro, professor, pesquisador teórico, graduado em filosofia.
Endereço. Rua Itabira, número 5, Rosa da Penha, Cariacica, Espírito Santo, Brasil.
Colaborador. MÁRCIO PITER RANGEL.
Trabalho registrado na Biblioteca Nacional.
As teorias de biologia e psicologia craciológica graceliana complementam este sistema filosófico.
DO QUASE NADA TUDO PODE SURGIR – EXCETO DEUS. POIS É O ÚNICO ABSOLUTO.

A REALIDADE É PODER.
Poder divino.
Poder cósmico.
Poder térmico.
Poder vital e biológico.
Poder psíquico. E mental.
Poder racional.
Poder espiritual.
A REALIDADE SE PROCESSA ATRAVÉS DE.
Projeto e poder de Deus.
Poder interno da própria realidade.
Essência, consistência, e vontade.
Transcendência e perfeição.
Progresso e poder.

TRANSCENDENTALISMO INFINITO.
O poder vem substituir o espírito, a mente e a matéria que já foram tão discutidos dentro da filosofia e outras formas de pensar.
E A TRANSCENDÊNCIA VEM SUBSTITUIR O SER INABALÁVEL E FIXO, onde o ser e a realidade nunca chegam a ser na sua essência e natureza.
Pois TRANSCENDENTE SÃO INFINITOS em varias fases e intensidades e sempre mudando e se aperfeiçoando.
Logo, o ser nunca chega a ser uno, como uma só coisa, mas é o conjunto de várias. Assim ele é transcendentalmente infinito e com infinitas intensidades de ação, poder, e processos.
A PRÓPRIA TRANSCENDÊNCIA PASSA POR ESTA VARIAÇÃO INFINITA. Logo, o ser uno é o ser transcendente e infinito. Pois todo ser é composto de partes diversas e universais.
Logo, A REALIDADE NUNCA CHEGA A SER, pois ela sempre se encontra em varias fases, e vários estágios de mudança.

CRACIOLOGISMO CÓSMICO TRANSCENDENTAL.
O homem é um ser existencial cósmico constituído de poder, vida, mente e espírito.
O COSMO É REGIDO PELO PODER DE DEUS SOBRE A ENERGIA DO ESPAÇO DENSO EM CONSTANTE CONSTRUÇÃO.
A REALIDADE É CONSTITUÍDA DE PODER TRANSCENDENTAL de ação de um sobre o outro numa interatividade de construção, desconstrução e transcendência. Onde em tudo há o poder de Deus. A realidade é o poder transcendental.


A REALIDADE É CONSTITUÍDA DE CINCO ELEMENTOS BÁSICOS FUNDAMENTAIS.
Deus, espírito, poder vital, vida.
E espaço denso – onde a matéria e os astros se fundem.

O homem é um ser existencial cósmico constituído dos quatro componentes básicos do cosmo e de poder transcendental.
Assim temos Deus, cosmo, força e poder transcendental, e os quatro elementos – e o homem ser transcendental e existencial é parte deste cosmo de poder espiritual e transcendental.
O poder transcendental tanto há na força cósmica do espaço denso e na força cósmica espiritual, onde ocorre a interação transcendental.
O ser nunca é o nada, pois ele é sempre alguma força, algum poder ou alguma transcendência.
E o ser é um estágio em si de aprimoramento existencial e transcendental.
Logo o ser é um ser de poder, e o homem é este ser de espírito, de vitalidade, e componente cósmico transcendental.
A realidade é o poder.
Pois o poder é ação sobre a ação.
É poder de transcender, de eternizar-se.

E O SER É O PODER.
O poder do criador sobre a vida e sobre o universo.
O poder psíquico sobre a vida e a mente.
O poder vital que cria a mente e a vida e os sentimentos, sentidos e a racionalidade como uma construção e ferramenta da vitalidade no ser vivo para trabalhar em função da própria existência do ser vivo.
O PODER É A POTENCIALIDADE INSERIDA NA VITALIDADE.
O poder do criador é o poder primário de onde tudo vem e tudo toma forma e estrutura de poder, vida e universo.
O PODER AGE NA CONSTRUÇÃO DA VIDA, DA RACIONALIDADE E DA REALIDADE.
A racionalidade é um mecanismo produzido pelo poder vital para agir na construção da vida e na permanência da sua existência.
Logo a existência é a priori, na realidade da vida.
Não é o homem que existe, mas sim a vida nele inserida, pois ele é só um estágio do poder transcendental da vida e da realidade.
O homem, a racionalidade, a mente, a lógica não é o ser.
O ser é o poder que constrói a vitalidade e existe nela inserida, que forma o homem e a racionalidade.
O homem e a mente são o conjunto de fenômenos e poderes que acontece em um determinado espaço.
LOGO, EXISTIR É UMA FACULDADE E UMA QUALIDADE DA EXISTÊNCIA DO SER VIVO.
Como também a racionalidade é mais uma destas ferramentas existenciais da vida e do poder vital na construção da realidade pelo poder.
A racionalidade também é vital inconsciente, ou biológica inconsciente, os órgãos e metabolismo do ser funciona na sua essência natural e mecânica inconsciente de ser. E isto é uma forma de racionalidade.

A RACIONALIDADE NATURAL PODE SER DIVIDIDA EM.
1- VITAL TRANSCENDENTAL, onde a vitalidade trabalha em função de transcender a vida pelos descendentes, aprimorando a reprodução, genética e formas de metabolismos.
2- Vital Metabólica, onde o ser vivo metabolisam para se manterem, e a sua própria vida e existência.
EXISTENCIALISMO TRANSCENDENTAL.
A existência possui uma existência a priori por ser parte de um encadeamento de processos vitais e transcendentais, o homem é parte desta realidade.
Logo, SER E EXISTIR É TRANSCENDER NA REALIDADE e não no tempo ou no espaço.
Assim, a realidade existencial é um tudo, não é o homem que existe, mas sim a realidade em que ele está inserido e que está inserido nele.

A REALIDADE E O ABSOLUTO.
Vê-se que a vitalidade produz a existência quando vemos que os sentidos dão prazer à vida, e VIVER É SER PARTE DA OBRA DO CRIADOR. Existir é viver, e a vida é a obra do criador.
E o poder da vitalidade mantém a vida e o espírito.
LOGO, SER NUNCA É SER NADA, POIS SÓ PELO FATO DE EXISTIR JÁ ESTÁ FAZENDO PARTE DO UNIVERSO DE PODER QUE VEIO DE DEUS.

A REALIDADE POSSUI DUAS FORMAS DE EXISTIR.
A PRIMEIRA.
A divina e de puro poder, de agir de transformar, absoluto em si, inabalável e intranscendente.
A SEGUNDA.
Também de poder, de forma, matéria consistência, espírito, alma, vida e vitalidade, razão e emoção, transcendente e transcendentador, transformado e transformador.
É ação sobre si mesma, não é dialética apenas transcendente sobro si mesma e esta é a essência de si – que é a de alto processar-se transcendendo sobre si mesma.
Não existe no tempo e no espaço, mas sim existe com fazes e estágios transcendentais de alto produzir-se em realidade dentro de si mesma.
Não está num local, mas sim o local é ela, ou seja, a realidade não se processa no espaço, mas sim nela mesma, e ela é o inicio, o meio e a eternidade de si mesma. Pois ela é a transcendência de si sobre si.
ELA É O SER QUE NUNCA CHEGA A SER UM SÓ. POIS ELA É VÁRIOS. E NUM MESMO TEMPO E ESPAÇO COM VÁRIOS ESTÁGIOS E CONDIÇÕES TRANSCENDENTAIS.
ELA É ESTÁGIOS E UM TODO, O TODO É O INICIO, O MEIO E A ETERNIDADE.
Ela não se processa através de causa e efeito, mas sim de poder estruturador sobre si mesma, pois se perguntar o que faz a vida ser o que é – são os poderes divinos e vitais.
A vida é um fenômeno de poder e transcendência com objetivo pré-determinado que produzir o ser vivo como forma de realidade e ser vivo transcendente de poder.
Assim a segunda realidade não vai em direção a um absoluto, pois o absoluto só há um - Deus, e já é a primeira realidade inabalável e intranscendente, improcessual e sem consistência, ele é que age sobre a segunda realidade, e a segunda realidade nunca chegará a ele.
E a segunda realidade possui como essência transcender e alto processar-se para manter-se realidade na sua essência de ser.
Vê-se assim que a realidade não é como coisa, pois coisa é matéria e poder não é matéria e nem fenômeno, ele é apenas ação direta sobre a realidade, como a divina sobre a realidade, ou a ação direta e transcendente sobre si como a segunda forma e essência de realidade.
Assim, o homem e a racionalidade não caminham em direção a um absoluto, pois o absoluto é o intranscendente, inabalável – que é Deus, e que surgiu e deu condições ao transcendente de existir. Ele está além desta realidade, pois age sobre ela.
Porém o homem e a racionalidade caminham em direção de uma perfeição, que é uma vontade do ABSOLUTO.

ASSIM PODEMOS DIVIDIR O COSMO.
EM PODER DIVINO E PODER TRANSCENDENTE.
Realidade estrutural e consistente, onde se encontram as formas, a matéria, o espírito, a alma, a vida, a razão, a emoção, os fenômenos e a realidade de causa e efeito.
Assim, a realidade não caminha em direção a um absoluto, mas sim caminha em direção a perfeição e a harmonia, isto se vê no cosmo e na biologia e vitalogia, como também no racionalismo e na sociedade. Ela transcende para aperfeiçoar-se.
Pois, o absoluto é Deus e ele já é poder inalcançável e de ação sobre as outras formas de realidade.
A REALIDADE EXISTE DENTRO DE SI MESMA.
A realidade é um encadeamento de ação de poderes agindo sobre si produzindo a realidade estrutural e fenomenal.
E é um avançar progressivo de poder, ação, fenômenos e estruturalizações.
Ela é um avançar aperfeiçoativo, porém sempre será a própria realidade, existindo dentro de si mesma, e agindo sobre si mesma e é o que faz com que a realidade seja o que é.
E se ela EXISTE DENTRO DE SI MESMA ela não existe no espaço e no tempo, mas sim dentro da ação do poder e da fenomenalidade do seu ato e ação de ser.
PODE-SE DIZER QUE ELA NÃO CHEGA NEM A SER CAUSA E EFEITO, pois ela é uma sucessão e intercalamento de ação de poder e fenômenos.
Que quando um chega a ser o outro já deixou de ser. Pois são vários estágios em varias estruturações, e vários caminhos e direções. Pode dizer que ela não faz parte de uma dialética.
Logo a realidade não vai em direção a um topo, um absoluto, pois ela é sempre será a sua forma de ser, poder, ação, processos, e fenômenos. Porém vai em direção a uma perfeição.
A realidade é e se desenvolve através dos elementos fundamentais da própria realidade, poder e fenômenos.
Ou seja, não se desenvolve através dos opostos em direção a um uno ou síntese, ou mesmo categorias, mas sim se desenvolve através da ação do poder e do desenvolvimento dos fenômenos produzidos pela ação do poder. E estar em desenvolvimento é estar em uma própria condição natural.
Porém o poder divino é intranscendente, pois é a própria superioridade, é o topo, é o absoluto.
Já o poder que age sobre a realidade se aperfeiçoa e se modifica acompanhando o desenvolvimento da própria realidade. E estar em desenvolvimento já é uma condição natural de si.

O PRINCÍPIO DA IDENTIDADE DA REALIDADE.
O princípio da identidade da realidade é a sua condição natural de ser ação de poder e ação de desenvolvimento de seus elementos naturais.
A realidade não existe no outro, pois toda forma de realidade é uma forma sua de ser e sobre existir, ou seja, a realidade do conhecimento e racionalidade é uma realidade enquanto se processa como racionalidade, mesmo recebendo elementos de fora do cérebro.
Aí neste ponto a realidade torna-se duas – uma enquanto fenômeno fora da mente e outra enquanto racionalidade.
TEM TRÊS FORMAS DE IDENTIDADE.
1-a absoluta e intranscendente,
2-a em si processual.
3-e a em si racional.
Sendo que a racionalidade é um desenvolvimento e estágio mais desenvolvido da realidade.

A IDENTIDADE NO CONHECIMENTO.
A realidade é o que está se processando, e não no futuro, pois é no presente que está a identidade. Pois no outro já saiu de si, e está em outra fase, outro estágio, tempo e espaço, e é outra essência, e deixa de ser ação própria para ser no outro.

A identidade marca o conhecimento no outro, mas como forma de fenômeno em si.
Logo o conhecimento do fenômeno fora de si é outra coisa.
Porém o conhecimento como fenômeno, a identidade, o ser, o absoluto como forma de ser presente, a realidade e o em si do desenvolvimento são formas de ser absoluto.
O absoluto neste caso é ser em si mesmo sendo transcendente.
TEM-SE TRÊS FORMAS DE SER.
1- ABSOLUTO INTRANSCENDENTE, INABALÁVEL, INALCANÇÁVEL, INICIO MEIO E FIM. SEM CAUSA E EFEITO. QUE É DEUS.
2- ABSOLUTO EM SI, mesmo sendo transcendente, que são os fenômenos.
3- E ABSOLUTO EM SI E NÃO ABSOLUTO EM SI. Que é a racionalidade, pois enquanto fenômeno em si é uma condição. E quando vista de outra condição é o existente do outro. É um registro racional e lógico do que acontece fora dele. Ou seja, existe em função e em condição do outro.
Porém existe condição e função de si mesmo. Logo, neste ponto a racionalidade é vista nos dois estágios.
Mesmo sendo transcendente a realidade é uma condição absoluta, pois transcender para aperfeiçoar-se é a essência primordial da realidade, de estar se transformando para ser outro, porém o outro não é ela ainda.
Ser é ser enquanto em si, onde atravessa a passagem para ser outro, e ser nesta condição transcendente aprimorativo é uma condiçao natural e da essência da própria realidade, e isto é identidade. Mas sim de ser em si como passagem para outro.

A REALIDADE, O BEM E O MAL.
A realidade não se dá em unidade, mas sim na multiplicidade e interacidade de ação e reação. Na diversidade dos elementos fundamentais a realidade se estrutura em um atuando sobre si, e o estar em desenvolvimento que caracteriza a realidade e o conhecimento.
Deus e os espíritos são partes do universo da realidade, pois o bem não é uma coisa só, sou divergente e concorrente.
O mal nunca poderá atingir uma fatia do bem para produzir uma síntese ou unidade, essência ou realidade.
Pois o bem sairia de sua condição real e existente em si e a sua absoluta e plena essência de ser o que é – O BEM SUPREMO POR SI PRÓPRIO.
E neste ponto a dialética falha, pois o bem não precisa do mal para existir, pois bem é bem e mal é mal.

DEUS E A REALIDADE.
No mundo da realidade, apenas há transitoriedade no deixar de ser em si, porém para ser outro, e enquanto ser em si é realidade, pois absoluto só Deus e o seu poder.
Por que Deus é intransitório, pois não transcende, já é absoluto em si e com o seu poder sobre a realidade.
Logo a substancia fundamental e intranscendente da realidade é Deus com o seu poder, e o projeto do mundo é a vida e o bem na harmonia e unidade da multiplicidade da diversidade.

ASSIM TEMOS QUATRO PRINCÍPIOS DA IDENTIDADE.
1-Um inabalável e absoluto em si, de ação de poder sobre a realidade – Deus.
2-Outro, de poder de ação estruturante sobre a realidade, como poder vital e energético.
3-Outro, em si do fenômeno como e enquanto coisa em si.
4-Outro, a condição transitória e aperfeiçoativo da realidade, mas nunca deixando de ser realidade transcendente.
REALIDADE E HARMONIA.

A realidade é o estar em harmonia do desenvolvimento num só ritmo sem atropelos, pois uma coisa que é depois não é foge o princípio da identidade.
Pois a essência da realidade é a harmonia e o desenvolvimento harmônico da multiplicidade da diversidade, onde a felicidade, o amor, o bem e a fé, o homem, a vida, e o poder divino se mantém vivos na própria realidade e é a realidade.

A UNIDADE E A ORDEM.
A unidade, a ordem, o absoluto, o bem e o belo estão na harmonia do estar sendo desenvolvido na unidade da multiplicidade da diversidade, na interatividade da ação do poder sobre os elementos da realidade e em suas potencialidade de desenvolvimento, sem atropelos e revoluções e também o não ser que poderá a vir a ser.
Ou seja, a realidade não está no que está para vir a ser no processo e na sua fase final, mas sim, está na harmonia de estar sendo naquele momento de realização de desenvolvimento na diversidade dos elementos fundamentais.
Sendo assim, o real e o estar em harmonia de desenvolvimento e aperfeiçoamento, sem atropelos e revoluções de opostos e contrários, de tese, antítese e síntese, num processo dialético.
Pois o bem nunca terá o mal para formar uma unidade, o espírito sempre será o espírito e a matéria sempre será a matéria, e Deus sempre será inabalável e intranscendente.
Logo dois contrários não existem em função da produção da realidade.
POIS A REALIDADE É UMA PRODUÇÃO E DIRECIONAMENTOS DE PODERES.

HARMONIA DE PODER E INTERATIVIDADE.
Pois, ocorre que a realidade é uma interatividade de ação de poder sobre a realidade e é em si uma parte da realidade, enquanto a outra parte sofre a ação como interatividade e unidade da multiplicidade da diversidade. Ou seja, A ESSÊNCIA DA REALIDADE É SER HARMONIA DE PODER, DE AÇÃO E DE INTERATIVIDADE.
A característica fundamental do mundo e da realidade é aumentar a interatividade da diversidade, como de duas cores chegarem a milhares de outras e não uma só.
Vê-se que um ser é composto de milhares de células, cada uma com a sua funcionalidade, e cada célula poderá transmitir vida a novos e diversos seres.
E isto tem vontade e direcionamento de poder no comando desta realidade.

CATEGORIAS DA REALIDADE.
1 - DE PODER E AÇÃO, Deus e poder cósmico, energético, vital e espiritual.
2 – DE AÇÃO, de potencialidade e interatividade, que agem sobre o funcionamento e dinâmica estrutural da realidade.
3-DE DIREÇÃO À HARMONIA CÓSMICA na unidade da multiplicidade.
4- OS DE TRANSFORMAÇÃO são os processos que agem sobre a dinâmica da realidade.
5- OS DE ESSÊNCIA PURA são os espíritos do bem, Deus, o ser humano,
6 – OS CONCRETOS é a matéria, a mente, o homem.
7- OS TRANSCENDENTES são a condição do deixar de ser da realidade.
8- OS RACIONAIS. Como fenômenos em si e como representação da realidade do mundo externo.

COMO A REALIDADE SE APRESENTA.
1-Poder divino e poder vital.
2-Na matéria ocorre a estrutura e transcendência dos fenômenos, porém não é o fenômeno, só é fenômeno enquanto coisa em si na sua essência de ser.
3-O poder divino, o cósmico, o vital e potencial é o agente da ação sobre a realidade.
4-A transcendentalidade é a dinâmica e essência da realidade de se processar e desenvolver-se.
5-O espírito compõe a existência humana.
6-A mente é uma construção do poder divino e do poder vital.
7-A razão natural e vital é parte da vida do ser humano, pois é a razão vital que compõe o poder e a ação da produção da vida, da psiquê e da própria racionalidade e emoções.
Como já foi esboçado, existem várias formas de racionalidades, como a vital, a psíquico orgânico, mental natural, mental racional e mental emocional e sensitiva. E natural espiritual.
8-O SER HUMANO É PODER VITAL, ALMA E ESPÍRITO, CORPO E TRANSCENDÊNCIA.

A REALIDADE SE PROCESSA E TRANSCENDE NELA MESMA.
A realidade não ocorre no tempo ou no espaço, mas sim nela mesma agindo e se estruturando, onde ela produz o ser, a vida, o homem, a mente, a racionalidade e sentidos e emoções.
Pois ela é na sua essência a sua própria construção e transcendência num processo de desenvolvimento.
O poder é o agente da ação da transformação, é onde está a potência para transformar e fazer ser a realidade. E o ser é o poder nas suas várias formas de ser, como o divino, o cósmico, o vital, o psíquico e o transcendental.

O PODER É O AGENTE DO AMOR E DA FELICIDADE.
Assim temos, poder, matéria e espírito, vitalidade e psiquê, ser e homem, transcendência e transformação.
A raiz da realidade está fora do homem.
A realidade não possui a sua raiz e fundamento na idéia, ou no racional, ou material ou espiritual, ou no fenomenal, mas sim a sua raiz e essência fundamental são o poder.
O poder divino, inabalável e intransformável, porém transformador.
O poder energético e cósmico.
O poder vital, psíquico racional e emocional.
E o poder espiritual, do poder transcendental.
Logo a realidade está além do homem, das idéias, da racionalidade, da matéria, do tempo e do espaço, da causa e do efeito, da tese e antítese, dos contrários e da dialética.
Ou seja, não está no homem, esta fora dele e ele é produto e componente [parte] desta realidade.
O homem não está na realidade, mas sim a realidade está nele, ou seja, o homem não é o homem, mas sim a realidade é o homem e a sua própria racionalidade.
Logo, o ser não é o homem, mas é a realidade inserida de poder e direcionamento.

O BELO É A HARMONIA,
A harmonia das cores, dos sons, das formas, dos amores, da felicidade, da existência, da transitoriedade, da natureza, da racionalidade. Logo a estética é a harmonia criada pelo poder supremo e divino que age sobre o cosmo.
EXISTIR É SER PODER.
Todo ser que existe, existe como forma, essência, e transcendência de poder, logo existir é o tudo, e é ser parte de um universo imenso de interatividade de poder e fenômenos, se transformando e deixando de ser para perpetuar a harmonia e a eternidade através dos poderes.
A realidade se produz sobre si mesma através da ação de poderes divinos, cósmicos e vitais e de sua condição enquanto realidade. Logo a realidade é ação em si e sobre si, dirigida por poderes.
É a unidade da ação do poder na produção da multiplicidade, do um que age e produzem os vários, e a multiplicidade na produção da unidade, como as células que produz o homem e todos os seres.

TEORIA DO CONHECIMENTO.
O mundo dos fenômenos, dos objetos, dos valores das mudanças é que moldam a mente.
E a mente passa a ser uma reflexão e representação lógica das imagens moldadas pelo mundo externo, porém segue os limites da mente, da psiquê e da racionalidade lógica de imagens.
E a lógica da mente obedece a ordem dos objetos, fenômenos, valores e suas mudanças.
A própria lógica da mente é um fenômeno natural e coisa em si, ou seja, o objeto é que molda e estrutura a mente e que deste molde vai ser as imagens lógicas e racionais como forma de conhecimento, e não a mente constrói um mundo próprio e particular.
O mundo inteligível é uma representação do mundo natural, que representa o mundo como forma de conhecimento conforme as suas potencialidades e desenvolvimento.
Porém a mente é uma produção do poder divino e vital, ou seja, a realidade se dá por condições de poder.

IMAGENS E CONHECIMENTO.
O conhecimento ocorre por via de imagens; imagens em si de objetos fenômenos, imagens recebidas pelo cérebro, imagens racionais e lógicas, e imagens imaginativas.
No conhecimento a coisa concreta é apenas o conhecimento enquanto ser em si, neste ponto o conhecimento é uma coisa concreta e em si, porém do mundo dos objetos é apenas imagens e no conhecimento o mundo concreto não existe como coisa em si, pois é outra coisa, se encontra em outro tempo e em outro espaço.
As qualidades adquiridas pelos sentidos e racionalizadas pela lógica da mente como imagens lógicas, são os objetos e os fenômenos em si, ou os já adquiridos pela mente e processados pela lógica racional.
Assim, conhecimento é um fenômeno concreto, porém é feito de imagens adquiridas de coisas concretas externas, porém cada um na sua forma de ser.


CONHECIMENTO IMAGINATIVO E NATURAL.
O imaginativo junta as imagens e forma outros resultados com o que já acumulou do mundo externo.
RACIONALIDADE LÓGICA REVELADA.
E o conhecimento natural é quando a mente trabalha sozinha e traz o resultado pronto, num lampejo é revelada a consciência pelo inconsciente de algo novo e estruturado pela própria racionalidade lógica e vital da mente.

RACIONALISMO INCONSCIENTE.
NATURAL, MECÂNICO, E RACIONAL.
Uma das vias da produção do conhecimento é uma lógica natural e inconsciente do cérebro, que produz um raciocínio lógico e que nos chega pronto sobre um assunto qualquer, que são sintetizados pelo cérebro.

RAZÃO PSÍQUICA.
Os processos físicos dos neurônios forma imagens racionais e lógicas de um mundo de imagens concretas externas ao cérebro que são sintetizadas pela mente humana, porém este processo de produção de conhecimento é de interesse extremamente psíquico.
O ser e a realidade também é o conjunto e a relação do mundo concreto com o mental e psíquico, que forma uma outra realidade – o conhecimento lógico e racional.
E conhecemos através do poder racional desenvolvido pelo poder vital.
E que forma o sujeito, a mente e o ser.


SOBRE A ESTÉTICA.
Vê-se que a estética também é esta relação transcendente de um mundo para outro, que é o mundo racional e psíquico em direção a perfeição, a harmonia e o belo.
Na estética vê-se que a sociedade também sempre caminha em direção a harmonia e tem como parâmetro o mundo concreto, racional, psíquico e valores desenvolvidos pela sociedade em direção a harmonia e o bem viver.
A ESSÊNCIA DA ESTÉTICA ESTÁ NO PRAZER DA EMOÇÃO AO SENTIR O BEM REFLETIDO PELO BELO NO MUNDO DAS CORES, FORMAS E SONS.
A estética é a ciência do prazer da emoção, onde o de fora atinge o mundo de dentro do prazer emocional para se tornar realidade do prazer, logo prazer e estética é o mesmo.
Ou seja, uma tela de cores e luz só se tornará realidade estética quando num mundo emocional e no momento absorvido por uma pessoa ou animal, no caso a música.
Assim, a realidade que a arte deve atingir para ser estética não está inserida no tema da realidade pintada, mas sim no ser dos sentidos, razão, emoção, e estágio psíquico que tornará a obra uma realidade estética.
Também a estética acompanha elementos de produção, mundo do produtor e mundo do observador no seu estagio de desenvolvimento psíquico e absorvedor.
Como capacidade de sentidos, razão, e emoção que já alcançaram um estágio para tal observação, assim a estética se tornará real e até um ser, do contrário, por mais lindo que seja, será apenas mais um objeto no espaço e no tempo.
Como foi visto a estética acompanha o conhecimento, pois ela se estrutura a partir dos elementos dos objetos, cores, formas e sons cheiros e sabores captados pelos sentidos e assimilados pela racionalidade, emoção e desenvolvimento psíquico.


EXISTENCIALISMO.
EXISTIR É SER ESSÊNCIA.
O nada não existe, pois tudo tem a sua essência de ser, como o cosmo, o poder, os espíritos, a vida, o espaço, o ser a realidade, a racionalidade, e a transcendência.
Até o que deixou de ser e existir marca a sua existência e essência na transcendência da vida, e mantém a característica nos outros, no caso os filhos que leva a genética, os ensinamentos éticos religiosos, o amor.
Assim existir é ser essência mesmo se for só num estágio existencial e transcendental, sendo vencedor ou perdedor, eterno ou limitado, nascer já é uma dádiva, viver outra, ser feliz e transcender para os filhos mais ainda, reconhecer Deus como criador a existência torna-se absoluta a existência.

A ESSÊNCIA DA VIDA NÃO É A CONCLUSÃO DA VIAGEM, MAS A PRÓPRIA VIAGEM.
Deus não construíria o mundo para ser um nada, e o homem é um universo de poderes e fenômenos, e um estágio dá existência do universo de Deus.
O INVISÍVEL SOBRE O VISÍVEL.
A realidade se processa com o invisível sobre o visível, o poder sobre a matéria, o poder transformador sobre a transcendência e os processos.
A realidade é o poder sobre o vir a ser, é o que leva o vir a ser a torna-se uma forma única e essencial de realidade.
Ou seja, a realidade é ação de poder agindo sobre a fenomenalidade da materialidade. E que estrutura e da forma a realidade, enquanto produz vida e anseios no ser.

A REALIDADE PODE DIVIDIR-SE EM,
1-Poder agente primeiro, que age sobre os fenômenos da matéria, da vida, da mente e da racionalidade.
2- fenômeno agente secundário é contido de poder e sua transformação altera a natureza da matéria.
3- matéria sofre a ação do poder e do fenômeno.
4- mente e vitalidade, outra forma de realidade, que não é matéria e sofre a ação do poder e do fenômeno.

TIPOS DE REALIDADE.
1- De poder, como o divino e criacionista, o vital, o psíquico, o racional e o cósmico energético.
2- De fenômenos, como a transformação que age mudando e leva a transcendência. Num eterno vir a ser em direção a perfeição, mas não em direção ao absoluto, pois o absoluto é Deus, inabalável e intranscendente.
3- de matéria e energia, onde substancializa e produz a estrutura densa e realidade materializada e energetizada.
4- De espaço denso, fonte primária e fundamental da materialidade.
5- de fenômenos em si, os fenômenos é que sofrem a ação do poder sobre si, e onde ocorre a transcendência para o vir a ser em direção a perfeição.
6- e poder em si como no caso da vitalidade, vida e fenômenos de ação psíquica, racional e emocional.

FORMAS DE REALIDADE.
A realidade estruturante é o poder, o poder divino, cósmico, energético, vital, psíquico, e espiritual.
A realidade estruturada é a materialidade e fenômenos que sofrem a ação do poder, ou seja, a essência da realidade é o que não aparece, quando aparece é em cima de alguma substância ou fenômeno.
Pois no poder está a produção estruturante da realidade, como a vida que advém do poder divino, poder vital e poder espiritual.
O mesmo acontece com a psiquê e o eu na psicologia, e aí está inserido a realidade em potencialidade que sentimos, não possui massa ou matéria, não possui mente determinante de sujeito e objeto, não possui espírito, nem é dialético, não se processo em causa e efeito.

PODER SOBRE PODERES.
Não está num espaço e num tempo, não faz parte de ser ou não ser.
Pois tudo se estrutura através de poder e poder sobre poderes, onde a própria realidade de fundamentos é em si potencialidade de poder, onde tudo brota, onde faz tudo vir a ser.
É a essência absoluta da realidade na sua ação transformadora de ser e agir, não é dialética, pois é intranscendente e inabalável.
Toda forma de realidade não caminha em direção a um absoluto, pois o absoluto é o poder divino, estruturador primário e fundamental, intranscendente e inabalável, logo se não se transforma não caminha em direção a um absoluto, pois já é por essência e natureza absoluto em si.
Os outros poderes cósmicos, energéticos, vitais, psíquicos e racionais se aperfeiçoam, mas nunca chegarão ao absoluto, pois sempre serão agentes transformadores, mesmo sofrendo mudanças e transcendendo.
A materialidade e fenômenos sofrerão a ação dos poderes, serão causa e efeitos, caminharão em direção a uma perfeição, porém nunca alcançarão o absoluto.
Pois o absoluto só é um. O poder divino. Primeiro e primário. Sem inicio e sem fim.
Logo, o ser é o que não transcende, ou seja, é o poder divino, pois só este é inabalável e estruturador, pois é por natureza e essência absoluto supremo.
Os outros poderes são seres transcendentes, enquanto a materialidade, o corpo, os fenômenos não são seres, pois apenas sofrem e são formas de substâncias onde os seres atuam e agem.
O conhecimento e a memória são uma forma de corpo sem substância, porém apenas como fenômeno que sofrem a ação do poder.
A vida por outro lado usa o corpo para se substancializar e transcender.
O poder não esta no espaço e nem no tempo, porque o poder está nele mesmo, e os fenômenos são estágios de sua forma de realidade, ou seja, os fenômenos são os seus próprios fenômenos, e estão instalados dentro deles mesmos ou numa substância e não em um espaço como referência.
Pois o tempo não existe como coisa em si, e o espaço não possui uma referência final no próprio espaço, logo o espaço não tem como referenciar ele mesmo.
Se perguntar onde está o cosmo, vai se responder está no espaço, porém onde está o espaço para o cosmo estar instalado, logo surge um enigma.
É preciso um fim para se referenciar qualquer coisa ou fenômeno.
O mesmo pode se dizer com a quantidade e intensidade de um fenômeno, ou mesmo com o tempo final e inicial dentro do cosmo, mesmo ele não existindo como coisa em si.
EXISTENCIALISMO NO PODER.
O mundo é poder e potencialidade estruturante por si mesmo, logo ele é bom, é como o rio que corre em sua livre correnteza.
A morte é o mal, é o rompimento da mágica da potencialidade da vida e da realidade.
O homem e o seu espírito são partes da realidade de poder divino e mágico sobre a vida, a felicidade, a existência e da vida no espírito na substância desenvolvida.
O poder não é inteligência, vontade, espírito, racionalidade, processos, fenômenos, dinâmica, dialética, matéria, mente, mundanidade, o poder mágico estruturante é o ser na sua forma meta real.
Onde tudo leva a brotar e advir no transcendente, onde leva a surgir os instintos, os sentidos, os sentimentos, emoções, e o conhecimento.
O poder vai além da evolução, porém a evolução é uma forma de realidade porque o poder aí está inserido.
Assim, a realidade é a natureza estruturante pelo poder, onde tudo leva a existir e transcender como a vida que é levada à morte, e é pela reprodução que o ser vivo morre e se eternizar pelos descendentes, mantendo o poder inserido no advento que surgiu dele, e a realidade continua na sua forma de ser se aperfeiçoando e se transcendendo.
Logo, qualquer forma de ser tem a sua função de existir e ser, logo não é o nada, mas sim, um tudo de poder, transcendência e eternidade.

O SER VIVO NÃO NASCE ELE É TRANSMITIDO, LOGO TRANSCENDIDO.
A vida é tempo sem fim.
É pedra, é água, é terra molhada.
É essência, é realidade deixando de ser.
É porvir.
Esperança, fé e felicidade.
É amor, é emoção.
É ser humano, é animal.
É ser e poder, é razão e ente.
É mágica e poder.
É transformação, é transcendência.
É espaço, é vazio e é cheio, é espírito e vitalidade.
É o poder divino.

SOBRE O PODER.
O poder não é um fenômeno, ou uma essência e nem é material, ou mental, emocional ou dos sentidos, ele está inserido em todas as formas de realidade e é em si uma realidade, o poder direciona o funcionamento dos fenômenos.
Pois é o agente de todos os fenômenos.
O poder transcende sobre todas as formas de realidade e é em si uma faculdade e uma potencialidade de agir, é através de onde tudo surge.
A realidade é poder e potencialidade inerente em todos os fenômenos e essências de ser, como mente vitalidade, racionalidade, sentidos e emoções.
O poder está inserido na construção do espírito e da alma, pois é da união de duas formas de vidas diversas que surge o espírito.
A realidade é o estar inserido de poder, para ser fenômeno e essência transcendente.
O poder de produzir transformação que é a realidade na sua forma de ação, não é a transformação, mas a transformação acontece por causa da ação do poder.
O poder é o que leva tudo a ser e a vir a ser como forma e essência de realidade, pois daí que surge a vida, a mente, o espírito e alma, a racionalidade, a emoção, e a psiquê natural que rege o funcionamento orgânico e metabólico do corpo vital.
Onde as espécies, a vida a realidade e os fenômenos e suas formas de ser surgem através do poder divino e do poder inserido.

AÇÃO DE PODER SOBRE AÇÃO DE PODER.
É o que não é visto, não é sentido, apenas é racionalizado, não se encontra no tempo ou no espaço apenas dentro dele mesmo, é ação de poder sobre ação de poder.
Deus é o agente primeiro do poder, pois é o intranscendente e inabalável, é a origem do poder e se é a origem do poder, logo é absoluto e supremo.
É de onde todo poder surge para tornar-se realidade e produzir realidade e seres.
O PODER NA BIOLOGIA.
Na biologia vê-se que a vida, e evolução, as espécies e novos surgimentos, emoções e sentidos, racionalidade e psiquê, o homem e a reprodução, e funcionamento da vida são produtos de um projeto dirigido por poderes, do divino ao vital e o psíquico, onde o ser vivo metaboliza e se transforma para manter-se vivo e eternizar-se através da reprodução.
Ou seja, os elementos da realidade são projetos e um desenvolvimento da própria realidade regido pelo poder em todas as suas formas de ser e existir.
E aí temos o poder primário do divino, para os outros poderes se fazerem realidade.
Ou seja, a essência primária da realidade não é a matéria, fenômenos, a mente, idéias como idealizou os gregos, ou o espírito, mas sim poder na sua forma fundamental de ser e reger todo universo. Onde transforma o mundo e faz a realidade tornar-se existente.
Não tem forma, densidade, fenomenalidade, não é psíquica, não ocupa lugar, não possui valores como referência, é só poder na sua essência de ser, onde só se vê o resultado surgindo, transformando, transcendendo, num devir, como num porvir da luz do Sol no outro dia.
Não tem duração, não é una e nem múltipla, é apenas poder inserido onde tudo é levado a ser.
O poder existe em cada célula, em cada fenômeno.
O ser vivo evolui pelo poder interno existente nos fenômenos e metabolizaçoes dentro das células.
E é a psiquê, emoções, racionalidade, direcionamento psíquico do funcionamento orgânico e celular que ocorre na produção de energia e sintetizações bioquímicas e psicofísicas nas células.
São fenômenos desenvolvidos pelo direcionamento e ação do poder vital que direciona todo funcionamento da vida, e isto é mágica do poder, e aí está a estética suprema, a harmonia, o belo em direção ao bem e a produção da vida.
Onde é mantido o sistema da realidade vital transcendente, brilhoso, cheiroso e belo na sua harmonia da unidade transcendental, onde o pequeno e micro são o agente do geral, universal e único, e o todo do micro.
Assim, o poder produz a vida, a vida, a evolução, e o todo se desenvolvem brilhante, cheiroso e faceiro. Cheio de vida para a eternidade.
Assim, a realidade de desenvolvimento da vida possui três ingredientes básicos.
O poder, a própria vida potencial de sintetização energética bioquímica e psicofísica e o todo da mágica do poder agindo incessantemente e infinitamente sobre a vida.

O MUNDO É PODER E VIDA PRÓPRIA.
O mundo é uma eterna construção de si, pois é poder, é o homem, vida, mente amor, conhecimento, emoção, racionalidade, alma e espírito.
Logo o mundo é ação, felicidade, essência de existir, pois o mundo é vida própria.
Assim, a moral torna-se a felicidade, o bem, a liberdade, a comunhão e a unidade na interação da multiplicidade.
Pois é quando toda a multiplicidade avança em bloco em direção a um desenvolvimento e aperfeiçoamento.
Assim, a natureza da realidade é por essência beleza e mágica de poderes atuando e unificando o universo.
Pois somos todos inseridos de poderes atuando e produzindo a realidade, e poderes fenômenos vitais e existenciais orgânicos, como sentidos, racionalidade, emoções, reprodução, esperança, instintos, etc.
Logo, existir é uma dádiva de poder do criador, e que a existência nunca pode ser um nada, mas sim uma multiplicidade de unidade e de poder num mundo de vida própria.
O poder também se aperfeiçoa e se desenvolve na sua produção, ou seja, na sua prática de produção os poderes da produção da realidade se desenvolvem e se fortalecem na proporção que entram em ação na estruturação e produção da realidade.
Assim toda a realidade na sua multiplicidade se desenvolve como uma só coisa, ou um só ser ou fenômeno.

A UNIDADE NA MULTIPLICIDADE.
A realidade ao se desenvolver em direção a perfeição como um só bloco, constata-se que a realidade mesmo sendo múltipla nos seus milhares de fenômenos e de seres, ela é uma só quando vista que no todo que vai em direção ao desenvolvimento.
ÁRVORE DA REALIDADE VITAL.
Poder divino
Poder vital
Mágica de ser
Potencialidade
Fenômenos vitais
Vida e fenômenos psíquicos e dos sentidos
Evolução e instintos
Espécies e fenômenos naturais.
Mente, racionalidade, lógica e conhecimento.
Sentidos, emoções.

O PODER SOBRE TODAS AS COISAS.
Antes da vida, das espécies e da evolução nos temos primeiro o poder divino e os outros poderes, para depois se transformar em potencialidades.
Por terceiro lugar ser realidade como ser fenomenal das coisas.
E quarto ser fenômeno em si estruturante e estruturável, em que o todo da multiplicidade se torna único quando todos estão inter relacionados e avançam em direção a perfeição.
O poder existe e é uma essência transformadora que usa a matéria como hospedeiro para se desenvolver e agir, com a sua ação cada vez mais intensa. E daí sai os fenômenos que produz a realidade, como estruturante – poder, estruturável – matéria.
Porém, o poder divino não precisa da matéria para existir e atuar pode atuar e existir sobre a matéria, isto conforme a sua vontade.
A vida usa a matéria evoluída para hospedar o seu poder e fazer-se realidade.
O espírito e a alma nascem do potencial da vida e do poder divino, e depois de nascidos podem existir independentes ou fora da matéria ou da vitalidade.

A VIDA COMO FORMAS DE REALIDADES.
1-Vida é o funcionamento metabólico, psicofísico, e bioquímico do ser vivo. Inserido de poder.
2-Vitalidade é o poder de transformar, agir e produzir a vida.
3-E vitalidade é a ação psíquica orgânica que rege o corpo vital, psíquico, metabólico energético.
A evolução e o funcionamento da vida são realizações do todo funcional e das potencialidades desenvolvidas pelos poderes.
Ou seja, rege a funcionamento da realidade em suas várias e infinita forma e é o invisível, o sem densidade, onde é apenas ação e poder de agir e transcender em si mesmo, sobre os outros e fazer que os outros venham a transcender para que todos se tornem eternos através dos transcendidos.

A REALIDADE É CRACIONISTA.
Logo, a realidade não é materialista, mecanicista, ou espiritualista, mas sim cracionísta, onde os poderes regem o universo com sua realidade. O ser é o poder.
O poder se encontra no todo e no uno, tanto está na vida quanto na evolução, assim, mundo e espírito, corpo e alma, matéria e vida, mente e processos não são elementos isolados para formar a realidade.
Mas sim se completam, e formam uma realidade inter relacionável, onde tudo faz parte de um todo funcional estruturável e estruturante de desenvolvimento regidos pelo poder e potencialidades transcendentes que formam a realidade, a vida, o universo, o ser e o devir.

RACIONALIDADE VITAL.
A vida possui a sua inconsciência de ser e consciência de transformar-se.
Ou seja, a vida é a racionalidade de si e de seu porvir, assim a vida se conhece e cria o seu caminho, a vida não é conhecida através da mente, mas sim através dela mesma.
Pois para trilhar o seu caminho ela tem que construir o seu próprio caminho, ou seja, ela possui poderes e racionalidade própria com seu inconsciente vital, e antes de ser mente a vida através de seus poderes já existia em potencialidades.
Pois, na potencialidade e na vida está a verdadeira racionalidade como forma inconsciente de se processar, sintetizar-se e metabolizar para existir e transcender.
Esta forma de razão é a forma de si para si e sobre si, é a mais autentica forma de razão que existe, pois é a racionalidade que é o objeto de si mesmo, e não está no outro.
Pois, o direcionamento da vida e de todos os seus fenômenos está a mais absoluta forma de racionalidade.
É o sentir para fazer para ser, e o fazer sentido para continuar no caminho do existir e do transcender, ou seja, é mais absoluta racionalidade e conhecimento que existe.
É o existir em si e racionalizar em si e sobre si para manter-se na sua essência e existência de ser.
É o existir em si e sobre si como forma e identidade de ser em si, e não no outro ou no devir.

EXISTIR EM SI E IDENTIDADE ABSOLUTA.
Vê-se a razão como um ser ou fenômeno, e é só dentro da vitalidade que a identidade absoluta da razão se tornará uma realidade absoluta e em si.
Pois ela será a razão de si e não do outro, e o existir em si e sobre si e também não no outro, ou em outro tempo ou espaço, ou em outra condição.
O poder é um existente em si e sobre o outro e sobre si.
A vitalidade é um existente em si e sobre si.
3- A razão vital é um existente em si e sobre si, é a identidade de si, ou seja, a identidade absoluta e final.
Logo, a realidade é cracionísta – inserida e regida de poder.

IDENTIDADE ABSOLUTA E RAZÃO NATURAL.
No poder está a forma natural da razão, onde o fenômeno da razão é o próprio fenômeno se processando regendo o fenômeno da vida que é a identidade absoluta de si, enquanto na razão pela consciência é a razão pelo outro no sair e vai em direção ao outro.
O poder é a essência fundamental do ser, da realidade, da vida, do conhecimento, do cosmo, do princípio da identidade, e não a dialética ou fenômeno, mente ou matéria, ou consciência.
O ABSOLUTO É O PODER.
O absoluto ser é o poder, que é por onde tudo acontece e onde tudo é inserido para se transformar e transcender. E onde tudo é levado a ser gerado, é onde está o conhecimento absoluto da razão e o principio da identidade em si mesmo, é onde está a harmonia, a unidade da multiplicidade e onde tudo é levado à eternidade como forma de realidade, com também à vontade e a transformação.
Ser e realidade tornam-se mágicos, sublimes e transponíveis no universo de poder.
E tudo e toda a realidade tornam-se harmônica e unida entre si, onde a realidade é determinante e determinada, não são mecânicos e nem materialistas, muito menos idealista, ou espiritualistas, mas sim a realidade como poder é sublime, eternos e vitais, mágicos de potência e vida, absolutos em si, racional por natureza.
O poder é a primeira e máxima realidade, seguido da mágica da vida, assim o homem é eterno através da mágica da vida e do poder vital, pois o homem é parte do todo funcional do passado e presente.
O absoluto conhecimento e princípio da identidade, a absoluta lógica e beleza se encontra no poder estruturante do cosmo e da realidade em suas mais variadas formas.


SOBRE A VIDA E A MORTE.
A vida na sua essência não comporta o nascimento e a morte, pois o que nasce e o que morre são elementos e componentes individuais da vida, e a vida em si é uma linha reta ou curva, mas sem fim.
Pois a vida é a dádiva e a mágica da existência, o poder mágico que cria a vida e a mágica do funcionamento da engrenagem total que age no processo da vida, o ser e a transcendência.
Logo, a morte não existe no universo do nascimento, da vida e da realidade em si.
O processo mágico da vida se mantém vivo e eterno nos elementos que nascem e morrem.
Porém, o processo mágico nunca morre, pois ele se mantém vivo no nascimento e na vida, e ele se mantém mais perfeito e mais resistente, logo a morte para a vida não existe.
No ser evoluído se tem mais um componente existencial se processando e existindo.
A vida é transmitida e continuada como forma de ser no outro, que é o subseqüente, ou se preferir o descendente.
Só pelo fato de nascer e existir o nada já foi vencido. E o ser é o existir como forma e produto de poder através da mágica da existência.
Logo a realidade é poder sobre poder, é mágica sobre mágica, onde o novo surge do não imaginável e impensável e do quase impossível.


MAGICISMO.
A MÁGICA PELO PODER.
A mágica é o existir e o surgimento do não esperado, do quase impossível de estar aí e de transformar-se no outro. Logo a realidade é mágica pelo poder.
A verdade na mágica existe em si, porque é a realidade sobre ela mesma, não é fenômeno nem processo, não é idealista por não ser idéia, PORÉM É NATUREZA PURA NA SUA PURA ESSÊNCIA DE SER, e é em si mágica, poder e potencia.
É natural pela essência de ser e de poder transformar e por fazer parte da mais ínfima natureza, porém é meta natural, ou seja, é natureza abstrata em si e para si na forma mágica de vir a ser e de poder.
A mágica não é pluralista nem unicista, é a existência pelo todo funcional.
É abstrato por ser inserido de matéria, porém não é idealista ou espiritualista, é sim a meta realidade e o meta ser.
Não possui densidade, espaço, tempo ou fenômeno, não está no outro, é o sujeito de si e sobre si.
Não é concreto por não possuir massa, mas é concreto por estar dentro de cada fenômeno, cada vida, cada pensamento.
É sujeito por ser o poder e mágica de si, e é objeto por estar a disposição do próprio poder, ou seja, de si mesmo.
Não é determinista, pois tudo que vai acontecer já é parte absoluta da sua natureza e já está inserido nele.
É absoluto em si, não é objeto de realização no futuro para se tornar absoluto, pois já possui a essência da natureza futura.
Não é dialético, pois não existe em função de contrários ou de outros para tornar-se síntese ou transcender.
Porém, é poder e mágica de um todo funcional e de desenvolvimento, é sim, a mais pura natureza se formando e se estruturando conforme o seu poder.
É infinito e eterno, o tempo não existe muito menos o espaço é finito, pois a essência não é a duração do fenômeno, mas sim, a mágica e o poder. Logo, a realidade é harmonia pura.
O mundo é multiplicidade enquanto poder e a mágica é una.

A QUARTA FORMA DE REALIDADE –
O PODER QUE REGE MÁGICA.
Além da física, a espiritual e a psíquica a realidade é inserido e regido pelo poder que rege o universo da realidade.
O poder é o primeiro elemento fundamental da realidade na construção do universo.
O poder é inquantificável apenas qualificável, o poder está no tudo do ser, da realidade e da razão, ser é poder.

EXISTENCIALISMO E MÁGICA.
A existência se perpetua e se aprimora da transitoriedade da vida, das espécies e do homem, ou seja, mesmo sendo o homem finito em nascimento e morte ele é um elo e parte de um todo infinito e eterno, mágico, cracionísta, sublime e transcendente.
Onde está a reprodução, a evolução, a vida, o homem, a felicidade, o bem, o amor, as emoções e os instintos, a inteligência e o conhecimento. Ou seja, isto está tanto no homem quanto na sua transitoriedade, quanto na realidade e no ser, e no universo.
O homem é parte deste universo de poder e mágica, da transcendência e eternidade, logo, a felicidade é bela e infinita, universal e particular, e o homem com a sua existência também o são.
Logo, existir é beleza, é amor, poder, sentir, é Deus agindo e transformando, é eternidade, felicidade. Logo o existir é o tudo sublime e eterno.

A MORAL E O PODER.
A moral no mundo mágico e cracionísta ocorre no todo funcional, onde não é o mais forte que sobrevive sobre o mais fraco, mas sim, fraco e forte compõe um sistema funcional, ou seja, a absoluta moral está na justiça de igualdade de desenvolvimento da própria realidade de poder e vivente.
Ambos fazem parte de um mundo, de um universo de funcionamento em que cada um possui a sua função na construção da realidade e de manter o sistema estruturante da própria realidade.
Logo, a moral e a ética dentro da realidade são a interatividade de um agindo sobre o outro para que todos e a própria realidade e o ser transcendental sobrevivam e se eternizem.
Assim, a absoluta ética é as igualdades e as unidades existentes na interatividade.

RACIONALIDADE ABSOLUTA E SOBRE SI.
A forma absoluta da razão é a razão sobre si, e não sobre o outro, como é a razão da consciência.
A razão da natureza e da realidade, que é o ser absoluto como forma de realidade sobre si mesmo. E está forma absoluta da razão está na mágica, no poder que rege o mundo e a realidade e a faz interagir para perpetuar e se eternizar, onde se aperfeiçoa e se eterniza regido pela razão em si, sobre si e para si, e não sobre o outro.
O conhecimento é absoluto em si no universo da mágica, do todo funcional, da potência e do poder.

A ESTÉTICA ABSOLUTA.
Temos na realidade cracionísta a mais bela, singela, harmônica, unicista e integrada beleza do universo, onde tudo acontece em cores absolutas como o nascer do Sol no Amazonas, ou em outra parte do planeta.
Sons variados, formas, odores e cheiros diversos que é a mágica do poder sobre a realidade e da realidade no todo funcional, logo a vida e o ser produzido pelo poder é a mais absoluta beleza, onde se constrói mecanismos e sentidos para tudo sentir, olhar, pensar e emocionar.


O SER, A REALIDADE E O MÉTODO.
O método é o poder construtor da realidade, e através da mágica transformadora da realidade e do poder.
E onde o poder é o todo da construção através da interação, dos elos, dos elementos, evolução, vida, mente, psiquê, etc.
Ou seja, a realidade é o método de si que se dá no todo funcional através do poder, onde não há tempo, espaço com referência limite, valores, densidade, matéria, mas sim poder e potência de vir a ser para perpetuar e eternizar em direção a perfeição.
E o ser é a engrenagem do sistema, não é o forte sobre o fraco, mas o forte que depende do fraco para interagir e existir, e que ambos forte e fraco são elementos fundamentas da interação e construção da realidade e do ser, onde se eterniza e existe.
Ou seja, o ser não é o elemento, o elo do sistema, mas sim, a engrenagem do sistema do todo funcional em direção a perfeição. Não há sujeito ou objeto, ou pensado e pensador, nem ente e ser do ente, mas sim ser do sistema da interação regido pelo poder que é o sistema na sua forma absoluta de ser.
Logo, o método da realidade é a interação regida pelo poder inserido e soberano.
Onde há a mais absoluta forma de ser, onde o princípio da identidade está na engrenagem do todo funcional e absoluto e racional da própria realidade.
O SER É O SER DA ENGRENAGEM FUNCIONAL DO SISTEMA REGIDO PELO PODER INSERIDO NA CONSTRUÇÃO DA PRÓPRIA REALIDADE.
Assim, temos,
Deus, poder, mágica e energia como realidade e na construção dela mesma.
Não é o ser do tempo, da razão, do ente, da mente, o ser no outro, o ser em si, mas o ser da mágica, do poder, da interação e do todo funcional e absoluto e eterno.
Mágica é o inexplicável da origem do funcional do todo do sistema e que leva o ser a ser real
LOGO, O MÉTODO É O PRÓPRIO SER E A PRÓPRIA REALIDADE NA SUA ESSÊNCIA DE EXISTIR E DE AUTOPRODUZIR.
O homem é parte deste universo e desta realidade, como a sua vida, a sua existência e o seu espírito também.
LOGO, EXISTIR É TRANSCENDER EM DIREÇÃO AO BEM E AO AMOR CRIADO POR PODER DO CRIADOR. ASSIM EXISTIR É O TUDO E NUNCA UM NADA, POIS O SEU ESPÍRITO NASCE COM A VIDA FÍSICA E CRACIONÍSTA E TRANSCENDE COMO VIDA ESPIRITUAL.
Ou seja, se inicia com uma essência e termina com outra.
O PODER AGE SOBRE O UNIVERSO DE ENERGIA, E O PODER SE ENCONTRA EM TUDO E EM TODOS.
E como condições de fenômenos, do espírito ao cosmo, da vida a matéria e a mente. Tudo é direcionado e coordenado pelos poderes existentes em cada situação de fenômenos desde a vital até o material.
O que ainda vai ser possui faculdades para se desenvolver e criar novas possibilidades para aquele que poderá ser uma forma de realidade em algum tempo futuro.
Não é vontade, forma ou um direcionamento para um eterno retorno, pois tudo caminha para a perfeição e o antes nunca volta a ser no futuro, o que foi no passado, é outro, apesar de que só foi o que é pelas condições de poder e de ser do passado.
Pois o próprio homem inicia e nasce como um termina como outro.
O PODER É A ABSOLUTA BELEZA E BEM SUPREMO, POIS É INABALÁVEL, E QUE CONSTRÓI TODA FORMA DE BELEZA E HARMONIA EM DETRIMENTO AO CAOS.
É DEUS E O BEM EM TODOS OS ESTÁGIOS E SITUAÇÕES.

Assim,
OS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DA REALIDADE SÃO;
Deus, poder, espírito, mágica, vitalidade, inteligência cósmica e energia.
A realidade se processa pelos elementos fundamentais e não pela dialética, e o absoluto não é o pico ou o fim, mas sim o absoluto é o caminho, é o estar acontecendo, onde é o verdadeiro ser e realidade, e não o vir a ser.
Pois no durante se encontra a infinidade de seres e suas inter relações e transcendências, mesmo se todos tiveram uma só origem. Porém o poder tudo coordena e direciona para um universo de estruturas.
Se perguntarmos dá aonde veio a mágica da vida, da mente, das células, da vitalidade, da mente, da energia, do cosmo e da matéria, da alma e dos espíritos. Pode-se descobrir as causas próximas, mas não as causas da origem e a essência de ser de cada situação fenomenal, pois só nos resta uma resposta QUE É O PODER CEDIDO PELO CRIADOR, para criar a multiplicidade de fenômenos e mágicas existenciais que compõem o universo.
O universo e a realidade são poderes e inteligência, pois é tão poderosa a máquina e o funcionamento da produção da vida, só uma inteligência para coordenar tanta perfeição e só um poder para a produção de tanto funcionamento.

TRANSCENDENTALISMO E CRACIONISMO.
A realidade é transcendente, ou seja, ela passa do anterior para o posterior. Ou seja, são infinitas realidades processando infinitos seres.
E o ser nunca será só um ser, pois ele é uma passagem.
Não se encontra no tempo nem no espaço, não é regido por causas, mas sim por poderes invisíveis e estruturadores.
Assim, temos a realidade do poder produzindo e regendo uma realidade transcendental que nunca chega a ser una.

Nenhum comentário:

Postar um comentário